Tríade da Mulher Atleta traz sérios problemas

Doença acomete mulheres viciadas em exercícios físicos, que não têm acompanhamento de um profissional

Por Marisa De Lucia


Pouco conhecida, a síndrome Tríade da Mulher Atleta atinge não só as profissionais esportistas, mas, principalmente, as frequentadoras de academias de ginástica que não têm um acompanhamento médico e nutricional.

Alterações no humor, suspensão da menstruação, bulimia, anorexia e tendência a desenvolver osteoporose (enfraquecimento ósseo) são alguns dos sintomas da Tríade da Mulher Atleta, doença que atinge as viciadas em exercícios físicos.

A prática de atividade física regular desde a adolescência não interfere na função hormonal e constitui um importante instrumento para ganho de massa óssea, mas, seja para emagrecer, buscar o corpo ideal ou alcançar melhor desempenho em competições, muitas mulheres exageram nos exercícios ou não percebem os sinais dos danos causados ao seu corpo.

É importante que treinadores, personal trainers e professores de educação física que atuem junto a academias observem a manifestação de possíveis sintomas da síndrome.

O tratamento da Tríade da Mulher Atleta requer uma equipe multidisciplinar, que reúne médicos, nutricionistas, psicólogos, psiquiatras e professores de Educação Física.