Como surgiu a Chapinha

Você sabia que ela existe desde os tempos dos faraós?

Por Marisa De Lucia


Também conhecida como piastra, a chapinha é um aparelho muito utilizado hoje em dia para alisar os cabelos. A moda tem crescido muito e a chapinha tem se tornado quase indispensável entre as mulheres que desejam mudar o aspecto do cabelo temporariamente.

hair.jpg

Mas não pensem que essa vontade de alisar os cabelos é algo que faz parte só da modernidade. Ela existe desde os tempos dos faraós, porém naquela época os cabelos eram alisados com banha de porco, óleo de peixe e sebo. Já no século 19, as mulheres alisavam o cabelo com toalhas molhadas em água fervente e barras de ferro, que eram aquecidas no carvão.

Foi somente em 1906 que surgiu um pente elétrico, criado pelo engenheiro americano Simon E. Monroe. Três anos depois, foi criado por Isaak K. Shero, também engenheiro, o flat iron, um modelo da chapinha que era aquecida em fogareiros.

Mas a moda de alisar os cabelos com esse tipo de equipamento só fez a cabeça da mulherada após 20 anos, em Paris, com o primeiro modelador de cabelos. Segundo alguns pesquisadores, esse aparelho tinha a aparência de uma pinça gigante e era aquecido no fogareiro, as mulheres testavam a temperatura até alcançar uma que proporcionasse o efeito liso.

Finalmente, na década de 80 surgiu a piastra elétrica, que fez um grande sucesso entre as mulheres da classe alta, devido ao alto preço. Hoje, a piastra já pode ser adquirida com mais facilidade, pois é oferecida em diversos preços e qualidades, como por exemplo, as de turmalina que diminuem a eletricidade estática dos fios e outras de cerâmica que por emitir infravermelho e íons negativos aumenta a durabilidade do penteado.

O efeito da chapinha é totalmente reversível, basta expor o cabelo à umidade que ele volta ao natural. Contudo, é preciso tomar algumas precauções quanto ao uso de chapinhas, pois a utilização excessiva desse recurso prejudica os cabelos, enfraquecendo-os. Procure limitar seu uso a 140 ºC, duas vezes por semana, no máximo.