Como surgiu o sabonete?

E pensar que seu primeiro aroma era de óleo de oliva

Por Marisa De Lucia


Primeiro surgiu o sabão, inventado pelos fenícios em 600 a.C. Mais tarde, os espanhóis acrescentaram óleo de oliva para dar um cheiro mais suave. Mas quem deu o nome de sabonete foram os franceses da cidade de Savona, de onde tiraram a palavra Savon (sabão) e Savonnette (sabonete no diminutivo).

site.jpg

Conta-se que para fazer o sabão, os fenícios ferviam água com banha de cabra e cinzas de madeira, o que o tornava mais pastoso. Já o sabão sólido só apareceu no século VII, quando os árabes descobriram o processo de saponificação, uma mistura de óleos naturais, gordura animal e soda cáustica, que endurece depois de fervida.

Em 1878, Harley Procter, dono de uma fábrica de velas e sabão, disse para seu primo, o químico James Gamble, que queria produzir um sabão branco, cremoso e delicadamente perfumado. Assim se chegou à nova fórmula, que produzia uma rica espuma e tinha uma consistência homogênea.

Logo que inventaram a luz elétrica, Harley Procter previu que a eletricidade poderia acabar de uma vez com o seu lucrativo negócio de velas, e decidiu então promover o seu novo sabão inventando em 1978 o “Roger & Gallet”, primeiro sabonete redondo, envolto artesanalmente em papel drapeado.

Consta que o sabonete mais antigo, que é comercializado até hoje, é o Lux, cuja primeira fabricação data de 1925. No Brasil, ele chegou em 1932, com o nome de Lever, empresa que o fabricava. A primeira representante da marca foi a atriz Claudette Colbert, que interpretou Cleópatra no cinema, em 1934.

O slogan “sabonete das estrelas de cinema” veio da matriz da Lever, nos Estados Unidos, a partir da década de 50, uma vez que teve como garotas propagandas Elizabeth Taylor, Lana Turner, Ava Gardner, Dorothy Lamour, Judy Garland,  Rita Hayworth, Grace Kelly, Joan Crawford, Kim Novak e Gina Lollobrigida, entre outras.

Como cuidar de cabelos cacheados

O vento pode causar estragos nesse tipo de cabelo

Por Marisa De Lucia


Não há dúvidas de que cuidar da beleza é bem mais fácil para quem tem cabelos lisos. Por isso é que a maioria das mulheres que têm cabelos cacheados opta por alisá-los definitivamente. Mas para quem é fã dos cabelos cacheados, vale a pena investir. Afinal, hoje existe uma variedade enorme de produtos que deixam os crespos mais soltos.

curly.jpg

Uma das principais causas do excesso de volume e da falta de definição dos cachos, é que o cabelo crespo é naturalmente mais ressecado e opaco porque o movimento anelado do fio impede que a oleosidade natural do couro cabeludo chegue até as pontas. Por isso, a rotina de beleza a ser adotada começa com um bom corte, que equilibre o volume, e o uso constante de shampoo, condicionador e creme sem enxágue (leave-in), que possuam propriedades hidratantes.

Para deixar os cachos ainda mais definidos, o ideal é secar com a toalha amassando os cachos com ativador de cachos ou mousse. Se o cabelo é ondulado, secar com o difusor deixa os cabelos mais cacheados, já secar na escova permitirá ondas mais largas. Depois de secos, para controlar os fios e dar brilho aos cabelos, use cera ou pomada. Outra dica é o uso de máscaras hidratantes, no mínimo, uma vez por semana.

Para cabelos ondulados, a orientação é valorizar as ondas com cortes em camadas, desfiados ou em forma de losango. Dependendo do tipo da raiz, é necessário que a pessoa faça hidratação.

Já as mulheres que têm cabelos muito crespos, devem frequentar o salão e cuidar do cabelo no dia-a-dia com escova ou bóbis grandes para que ele assuma uma forma adequada. Cauterização e hidratação a base de óleo e água são procedimentos extremamente importantes neste tipo de cabelo.

Cuidados para que os cachos fiquem soltos

  • Lave os cabelos somente com água morna, pois a água muito quente resseca os fios. No caso de lavar todos os dias, devem ser usados produtos específicos e de qualidade.

  • Massageie o couro cabeludo durante a lavagem, pois estimula a produção de sebo protetor nos cabelos.

  • Com os cabelos ainda molhados, aplique, em pequenas quantidades, o creme para pentear e espalhe pelos fios na quantidade necessária.

  • Ao longo do dia, se sentir necessidade, aplique pequenas quantidades do creme para pentear. Deve-se tomar o cuidado de não utilizar uma quantidade excessiva, o que deixaria os fios opacos e sem movimento.

  • Penteie os cabelos quando ainda estiverem úmidos, para manter sua estrutura intacta.

  • Use máscaras hidratantes de tratamento intensivo de acordo com a necessidade e finalizadores em abundância, tais como leave in, mousses, pomadas e reparadores de pontas.

  • Corte periodicamente os cabelos, para evitar o ressecamento dos fios.

Você sabe quando e como surgiu o batom?

E que já foi considerado hábito de mulher mal intencionada?

Por Marisa De Lucia


Considerado como o item de maquiagem que nunca sai de moda e que mais valoriza a mulher, o batom é apresentado em várias cores, com brilho ou sem brilho, como os cintilantes, opacos, hidratantes ou gloss, atendendo aos mais diversos gostos.

Mas você sabe onde e quando surgiu o hábito de colorir os lábios? Registros mostram que esse hábito tem raízes no Egito, onde pigmentos vermelhos já eram aplicados nos lábios em 5000 a.C.. Potes de óxido de ferro vermelho foram encontrados no interior dos túmulos antigos sumerianos e egípcios.

O busto da rainha egípcia Nefertite, exposto no Museu de Berlim, prova que lábios femininos eram pintados pelas mulheres dos faraós. Para se enfeitar, elas recorriam às alternativas naturais como a “púrpura de Tyr” uma substância que dava um aspecto mais saudável aos lábios.

Durante toda a história da humanidade, o batom foi considerado apenas como um instrumento de poder, sedução e manipulação, onde regras frente aos critérios de saúde humana, meio-ambiente e utilização de animais foram adicionadas lentamente.

Na Grécia, no século II, havia lei impedia que as mulheres usassem batom antes do casamento. Na Espanha do século VI, só usavam batom mulheres das classes menos nobres. Passaram-se os séculos e pintar os lábios se tornou hábito de mulheres mal intencionadas, tanto que em 1770 o parlamento inglês decretou proibição do ato de pintar os lábios.

Finalmente, em 1921, o batom ganhou o formato atual e começou a ser comercializado em Paris. O sucesso foi tamanho que em 1930 os estojos de batom dominaram o mercado americano. E daí espalhou-se pelo mundo afora.