Benefícios da dança para o corpo e a mente

Uma hora de dança gasta, em média, 400 calorias

Marisa De Lucia


Já está mais que provado que dançar reduz o estresse, aumenta a disposição, tonifica e define os músculos, além de queimar calorias tanto quanto caminhar ou andar de bicicleta. E quer maneirar melhor de perder peso?

Mas será que todo mundo sabe que a dança também funciona como uma terapia para a alma? Pesquisas revelam que a dança pode combater a timidez e até mesmo a depressão. Isto porque dançar promove a auto-estima, trazendo alegria e maior disposição para encarar as dificuldades do dia-a-dia

O mais interessante é que, ao contrário de algumas atividades físicas, qualquer pessoa pode dançar, não existem restrições, nem mesmo de idade. Claro que os passos devem ser adaptados às limitações físicas de cada um, mas não existe impedimento.

site.jpg

Outro dado interessante: com a dança, a vida a dois com certeza melhora muito, pois o casal se torna mais próximo e acaba resgatando toda a cumplicidade do início do relacionamento.

De acordo com o diretor da Sociedade Brasileira Medicina do Esporte, Samir Daher, a dança é uma atividade aeróbica focada em pontos específicos do corpo, que variam de acordo com o tipo da atividade. “Em geral, mexe com frequência cardíaca, musculatura esquelética e articulações, podendo ser uma boa aliada para se perder peso. Uma hora de dança pode gastar em média de 300 a 400 calorias”.

Contudo, é preciso tomar alguns cuidados para evitar dores nos joelhos, coluna e tendinites, já que a atividade provoca um movimento repetitivo nas articulações, principalmente em pessoas acima do peso. O médico destaca a importância do alongamento, normalmente feito antes das aulas, e alerta que se a intensidade da prática de dança for muito intensa, exigindo horas de dedicação e mais de duas vezes na semana, é recomendada uma preparação da musculatura e do condicionamento.

“A dança, como atividade física, libera endorfina, substância relacionada ao prazer”, afirma o médico. “Ninguém dança de cara fechada e, normalmente, termina a atividade mais alegre. É um exercício que interliga mente e corpo”, observa o diretor.

Você sabia como surgiu a dança?

Há mais de 15 mil anos atrás já foram registrados os primeiros movimentos

Marisa De Lucia


O homem foi o primeiro a manifestar o movimento de dança. Contudo, naquela época ela era executada quando alguém se sentia feliz com a vinda da chuva ou quando ganhava um presente. Passado um tempo, o homem sentiu que para dançar ele precisava de um barulho para acompanhar seus movimentos como seu próprio assovio, daí a origem dos instrumentos de sopro.

Por meio das pinturas e rabiscos que os homens das cavernas deixaram registrados nas paredes das cavernas, conclui-se que os primeiros movimentos que a nós chamamos de dança surgiram há mais de 15 mil anos.

A dança teve maior importância nas sociedades anteriores a valorização da palavra: a crescente importância dada à atividade mental e conseqüente abstração, tirou da dança o papel de meio de expressão de emoções, transferindo-o para a palavra. Assim, a dança começou a restringir-se à vida social.

Dessa forma, as culturas ocidentais deixaram de ser dançantes para se tornarem pensantes. No entanto, a dança, e, como parte dela, a dança social e também a dança de salão, continua expressando o pensamento e a emotividade da respectiva cultura.

Photo by George Marks/Retrofile RF / Getty Images

Photo by George Marks/Retrofile RF / Getty Images

Muito provavelmente, as primeiras danças foram rituais ou místicas. O ser humano procurava (e até hoje procura) alcançar um bem estar que permite experiências transcendentais que o aproximem dos princípios místicos que acredita estarem guiando o mundo

Em pinturas de parede egípcias encontram-se as primeiras representações de dança de palco, ou seja, de uma forma artística de dançar cujo objetivo é entreter um público passivo: a dança se profissionalizou.

Durante a Idade Média e o Renascimento surgiu a dança como atividade social, ou seja, como expressão do fato de pertencer a determinada classe ou grupo social. As classes nobres diferenciavam-se das classes baixas, entre outros através das danças típicas, cuja aprendizagem fazia parte da educação. A aristocracia praticava as danças da corte, e o povo, as danças folclóricas. Surgiram então, então, nas cortes, os primeiros professores de dança e etiqueta. As habilidades de dançar, assim, estavam entre aquelas que qualificavam o indivíduo a fazer parte do grupo social ao qual pertencia por nascimento.