A agenda do corpo

Saiba os melhores horários para praticar as atividades do dia-a-dia

Por:Marisa De Lucia


Você sabia que é bem melhor ir ao dentista na parte da tarde, quando a sensibilidade à dor é menor, e fazer a barba às 8h da manhã quando as plaquetas que levam à coagulação sanguínea são mais abundantes? E que participar de reuniões logo após o horário do almoço não é produtivo? Pois é, a agenda de nosso corpo nem sempre bate com os compromissos que agendamos no dia-a-dia.

Da escritora Jennifer Ackerman, o livro “Sex Sleep Eat Drink Dream” (Sexo dormir comer beber sonhar) traz os melhores e piores horários para praticar as atividades do dia-a-dia. Segundo a autora, se observarmos esse relógio biológico, instalado no hipotálamo, passaremos a respeitar mais as necessidades de nosso corpo e, consequentemente, viveremos melhor.

Sabendo ou não os que participam, o “happy hour”, por exemplo, é realizado no horário em que o fígado metaboliza melhor o álcool, isto é, por volta das 17h, 18h. Já, se for dirigir, esqueça os horários da 1h às 4h e das 13h às 16h, quando há mais chances de se cair no sono.

site.jpg

Quanto à fertilização, os níveis de testosterona atingem seu ápice às 8h, horário em que os homens estão mais estimulados para a atividade sexual. No entanto, o sêmen tem maior qualidade à tarde, com 35 milhões de vezes mais espermatozóides.

Já os exercícios devem ser praticados no final da tarde, quando as juntas estão mais flexíveis e as vias aéreas mais abertas, e é possível ganhar 20% a mais de massa muscular.

Portanto, repense seus horários!

Cuidados com os exercícios no Verão

Evite praticá-los ao sol, após as 9h da manhã e antes das 5h da tarde

Por Marisa De Lucia


Todo mundo já sabe que a manutenção de uma prática regular de exercícios físicos traz uma série de benefícios, entre eles, a diminuição da pressão arterial e do “colesterol ruim” elevando os níveis do “colesterol bom, além de diminuir a ansiedade e o estresse melhorando o sono e a autoestima.

Contudo, com o calor que está fazendo, deve-se ficar atento aos cuidados que devem ser tomados ao praticar exercícios. Afinal, o organismo reage de forma diferente nesta estação do ano. Por isso, antes de começar um programa de exercícios, procure uma orientação médica. Este profissional poderá solicitar a você que faça alguns exames de laboratório, eletrocardiograma e ainda um teste de esforço.

É fundamental escolher o tipo de exercício físico adequado. Nessa época do ano, o mais recomendado é o aeróbico como: andar de bicicleta, caminhar no calçadão da praia ou correr, praticar esportes de praia ou nadar.

Mas, lembre-se, evite o sol após as 9h da manhã e antes das 5h da tarde, hidrate sua pele antes, durante e depois dos exercícios físicos, e vista sempre roupa leve, boné ou chapéu. E, claro, faça uso de protetor solar com fator acima de 20 e ingira muito líquido para não desidratar o organismo.

A regularidade na prática dos exercícios também é fundamental. O ideal é fazer exercícios de três a cinco vezes por semana, iniciando com duas horas e meia e passando para três a cinco horas divididas durante toda a semana.

Procure começar com uma caminhada na praia cerca de 1.500 metros, acrescentando cerca de 500 metros ao final de cada semana até atingir uma caminhada diária de 3,5 a 5 km.

A sessão de exercício deverá ter cerca de 60 a 90 minutos e um período de aquecimento de 5 minutos, seguido por um período de exercício aeróbico de 30 a 45 minutos, um período de exercício de resistência de 20 minutos e um período de relaxamento de mais 5 minutos. Mas não exagere na intensidade dos exercícios!

Tríade da Mulher Atleta traz sérios problemas

Doença acomete mulheres viciadas em exercícios físicos, que não têm acompanhamento de um profissional

Por Marisa De Lucia


Pouco conhecida, a síndrome Tríade da Mulher Atleta atinge não só as profissionais esportistas, mas, principalmente, as frequentadoras de academias de ginástica que não têm um acompanhamento médico e nutricional.

Alterações no humor, suspensão da menstruação, bulimia, anorexia e tendência a desenvolver osteoporose (enfraquecimento ósseo) são alguns dos sintomas da Tríade da Mulher Atleta, doença que atinge as viciadas em exercícios físicos.

A prática de atividade física regular desde a adolescência não interfere na função hormonal e constitui um importante instrumento para ganho de massa óssea, mas, seja para emagrecer, buscar o corpo ideal ou alcançar melhor desempenho em competições, muitas mulheres exageram nos exercícios ou não percebem os sinais dos danos causados ao seu corpo.

É importante que treinadores, personal trainers e professores de educação física que atuem junto a academias observem a manifestação de possíveis sintomas da síndrome.

O tratamento da Tríade da Mulher Atleta requer uma equipe multidisciplinar, que reúne médicos, nutricionistas, psicólogos, psiquiatras e professores de Educação Física.