A agenda do corpo

Saiba os melhores horários para praticar as atividades do dia-a-dia

Por:Marisa De Lucia


Você sabia que é bem melhor ir ao dentista na parte da tarde, quando a sensibilidade à dor é menor, e fazer a barba às 8h da manhã quando as plaquetas que levam à coagulação sanguínea são mais abundantes? E que participar de reuniões logo após o horário do almoço não é produtivo? Pois é, a agenda de nosso corpo nem sempre bate com os compromissos que agendamos no dia-a-dia.

Da escritora Jennifer Ackerman, o livro “Sex Sleep Eat Drink Dream” (Sexo dormir comer beber sonhar) traz os melhores e piores horários para praticar as atividades do dia-a-dia. Segundo a autora, se observarmos esse relógio biológico, instalado no hipotálamo, passaremos a respeitar mais as necessidades de nosso corpo e, consequentemente, viveremos melhor.

Sabendo ou não os que participam, o “happy hour”, por exemplo, é realizado no horário em que o fígado metaboliza melhor o álcool, isto é, por volta das 17h, 18h. Já, se for dirigir, esqueça os horários da 1h às 4h e das 13h às 16h, quando há mais chances de se cair no sono.

site.jpg

Quanto à fertilização, os níveis de testosterona atingem seu ápice às 8h, horário em que os homens estão mais estimulados para a atividade sexual. No entanto, o sêmen tem maior qualidade à tarde, com 35 milhões de vezes mais espermatozóides.

Já os exercícios devem ser praticados no final da tarde, quando as juntas estão mais flexíveis e as vias aéreas mais abertas, e é possível ganhar 20% a mais de massa muscular.

Portanto, repense seus horários!

Insônia: um dos inimigos da beleza

Dicas para um bom sono

Por Marisa De Lucia


De nada adianta estarmos com os cabelos lindos, unhas impecáveis e vestindo as melhores grifes se não estivermos com uma aparência descansada. Por isso, devemos ficar sempre atentos à nossa saúde, que pode muitas vezes ser prejudicada por noites de insônia.

insomnia.jpg

E não existe coisa pior do que saber que o relógio vai despertar daqui a algumas horas e você ainda nem sequer pegou no sono? Pois é, mas esta é uma das grandes reclamações dos que vivem uma vida agitada e ainda por cima sofrem com isso.

De acordo com uma pesquisa da Datafolha, um em cada três paulistanos sofre de insônia e 28% dormem mal. O número de insones na cidade de São Paulo equivale a 3,2 milhões de pessoas. Os dados apontam que as mulheres são as mais atingidas que os homens: 35% delas têm o problema, contra 25% deles. Aí vão algumas dicas para se obter um bom sono.

Primeiramente, você deve ter um bom lugar para dormir. Um quarto agradável e um colchão confortável são itens básicos para começar. Outra coisa muito importante é ir para a cama sempre no mesmo horário, pois assim o corpo acaba se condicionando a essa rotina. Por isso, uma hora antes de se deitar, comece a desacelerar. Fique longe das atividades excitantes ou barulhentas nesse período.

Os banhos de imersão, as massagens ou uma ducha quente funcionam como sedativos naturais e driblam a ansiedade, ajudando seu corpo a relaxar. Tomar um copo de leite quente funciona, mas é mais interessante tomar um chá de camomila ou de erva cidreira. Chá de flor seca de maracujá também é calmante.

Outra dica é evitar estimulantes como chocolate e bebidas à base de cafeína, como café e chá preto, após às 17h. Tomar bebidas alcoólicas antes de deitar também tira o sono, pois os efeitos do álcool no corpo duram cerca de três horas. O melhor momento, portanto, para tomar um aperitivo é o período entre 17h e 20h, já instituído como happy hour.

No jantar, o melhor é consumir pequenas porções de carboidratos, que são excelentes soníferos, do que proteínas, que têm efeito estimulante. Comer uma maçã à noite é uma boa pedida. O efeito aumenta se ela for cozida e servida quente. O chá feito da casca seca também funciona.

Finalmente, o tradicional escalda-pés relaxa o corpo todo, porque os terminais energéticos dos pontos da acupuntura concentram-se nos pés. Portanto, mergulhe-os na água quente por dez minutos até a pele ficar vermelha. Depois, seque-os e calce meias para mantê-los aquecidos.

Homens também sofrem com a menopausa

A “andropausa” provoca a redução da fertilidade, mas não o fim como nas mulheres

Por Marisa De Lucia


Quem ainda pensa que só as mulheres sofrem com os inconvenientes da menopausa está enganado! Os homens também têm sua própria menopausa, chamada de “andropausa”, um processo de mudanças hormonais e fisiológicas, que acarreta transformações emocionais.

 

Quando o homem está às vésperas de completar 50 anos de idade e percebe que engordou, que se irrita facilmente, que não dorme direito e que sua vida sexual não é das melhores, acaba se convencendo que se trata somente de um caso comum de crise da meia idade.

Contudo, ao contrário do que ocorre com as mulheres, a andropausa não provoca o fim da fertilidade e sim uma redução dela, devido à menor produção de espermatozóides. Com a idade, a testosterona cai em torno de 1% ao ano e o homem começa a perceber que engordou, que se irrita facilmente, que não dorme direito e que sua vida sexual não é das melhores.

De acordo com estudos, fatores como a raça, a cor, a presença de doenças, o uso de medicamentos, o fumo e o álcool tendem a influenciar. Por isso, alguns homens conseguem manter uma boa secreção de testosterona até os 80 anos de idade, enquanto outros apresentam uma queda já por volta dos 50.

A reposição de testosterona e derivados já esta sendo feita com bons resultados, mas com algumas ressalvas. O tipo de terapia de reposição hormonal mais comum é aquela por via transdérmica, por meio de gel, cremes ou adesivos cutâneos.

Alguns médicos recomendam ainda o uso de suplementos vitamínicos, sais minerais e oligoelementos (cálcio, manganês etc.), com a finalidade de melhorar a atividade mental, antioxidantes e em especial determinados aminoácidos, que ajudarão a liberar neurotransmissores cerebrais.

Este conceito de menopausa masculina é apresentado por Jed Diamond no livro “A Menopausa do Homem”. Nele, Diamond desmistifica a crise da meia idade e explica o que está por trás da redução do desejo, da queda na produção de hormônios e das mudanças de temperamento. Informações sobre este livro, neste site, no link Dicas de Livros.

Iogurte: excelente opção para quem não tolera leite

Veja algumas receitas no final da matéria

Por Marisa De Lucia


Embora a sabedoria popular diga que um copo de leite antes de dormir garante um sono tranquilo e que quem bebe leite fica livre de doenças e mantém-se bem alimentado, tem gente que tem intolerância a leite.

No Brasil, segundo o IBGE, o consumo per capita de leite de vaca, um dos mais tradicionais alimentos da cultura ocidental, é de 27,9 litros por ano.

Além de conter proteínas e vitaminas A, B1 e B2, o leite é uma rica fonte de cálcio, mineral essencial para a formação dos ossos e para evitar o seu desgaste.

De acordo com nutricionistas, quem não ingere cálcio durante toda a vida corre um grande risco de desenvolver osteoporose. A recomendação para crianças, adolescentes, grávidas, lactantes e mulheres na menopausa é de quatro copos diários. Para os demais adultos, de dois a três copos.

Contudo, devido algumas proteínas presentes no leite, como a caseína, a lactoalbumina e a lactoglobulina, que são bem mais pesadas que a lactoalbumina do leite materno, muitos bebês desenvolvem o que os médicos chamam de alergia ao leite de vaca.

A lactose, um tipo de açúcar natural, é outro componente polêmico do leite de vaca, pois pode provocar reações adversas em quem não tem ou produz pouca lactase, enzima que digere a substância. A produção da lactase diminui com o passar dos anos, por isso esse mal que atinge principalmente os adultos.

De acordo com estimativas, 40% da população tem algum grau de intolerância ao leite de vaca, mas não sabe disso. Os principais sintomas são cólicas, diarreia e náuseas e o diagnóstico pode ser feito com uma dieta de exclusão do alimento por um mês.

Entre os produtos derivados do leite, que contêm menos lactose, o iogurte é o mais indicado por ser um leite coalhado e preservar os nutrientes da bebida pura, transformando-a em alimento de fácil digestão.

Produzido a partir das misturas dos microorganismos “Streptococus thermophilus” e “Lactobacillus bulgaricus”, que consomem a lactose, o iogurte é também fonte de proteínas, cálcio, zinco, vitaminas A e do complexo B.

Benefícios do Iogurte

- Contribui para o fortalecimento dos ossos e do sistema nervoso;
- Ativa a produção de anticorpos, hormônios e enzimas, importantes para o metabolismo, contribuindo para reforçar o sistema imunológico e retardar o envelhecimento;
- Rico em vitamina A, que melhora a saúde da pele, dos cabelos, da visão e das unhas;
- Rico em vitaminas do complexo B, que proporcionam energia e oxigenam as células;
- Misturada a frutas, mel e cereais, pode ser ainda mais nutritivo.

Receita de Iogurte

Ingredientes:
Leite de vaca e fermento lácteo (cultura).

Modo de fazer:
Aqueça um litro de leite até o ponto de fervura. Retire do fogo e deixe esfriar até 40º (use um termômetro simples para medir). Adicione um envelope de fermento lácteo e mexa de dois a três minutos. Despeje a mistura em um pote grande, tampe o recipiente e leve-o para um local onde a temperatura possa se manter entre 40º e 43º (dentro do forno apagado, por exemplo). Aguarde entre quatro e seis horas até a completa coagulação do leite. Deixe na geladeira por, no mínimo, quatro horas e, na hora de servir, misture com frutas, mel ou granola.

Receita rápida de Iogurte

Abra uma caixa longa vida de leite semidesnatado ou desnatado e retire um copo da bebida. Complete a embalagem com um copo de iogurte desnatado puro e deixe na geladeira. O leite fermentará e se transformará também em iogurte.

Livro mostra os benefícios do riso

Ao rir, queimamos cerca de 10 calorias!

Por Marisa De Lucia


Título: A Terapia do Riso – A Cura Pela Alegria

Autor: Eduardo Lambert

Editora: Pensamento

Número de páginas: 80

Sinopse “A Terapia do Riso”

 

Este livro busca contribuir para que o leitor, através do riso, desperte em si o gosto pela vida e, ao mesmo tempo, é uma homenagem a todos os que sabem ver e perceber o lado bom das coisas, criando um clima de felicidade e prazer que contagie o ambiente em que vivem e as pessoas com quem convivem.

Segundo o autor, o riso e sua onda vibratória transmitem energia e uma química que se espalha por todo o corpo, provocando o relaxamento muscular de todos os órgãos. “Mesmo o simples esboçar de um sorriso ou uma gargalhada, estimulam o cérebro a produzir endorfinas, substâncias químicas com poder analgésico, que proporcionam uma enorme sensação de bem-estar”, diz ele.

Além disso, as endorfinas produzidas através do riso estimulam o sistema imunológico contra reações alérgicas, bactérias e vírus; protegem o aparelho circulatório contra enfartes e derrames; ajudam a melhorar a pressão arterial, ampliam a capacidade respiratória e promovem uma ação antienvelhecimento. E mais: o riso pode ajudar a emagrecer, pois, afinal, para rir acionamos 28 músculos da face, queimando cerca de 10 calorias.

Sobre o autor:

Clínico geral, homeopata ortomolecular e terapeuta, Eduardo Lambert é especializado em terapias holísticas. Além de “A Terapia do Riso”, é autor dos seguintes livros: “A Terapia do Beijo”, ”Pensamentos de Luz”, “Matéria Médica e Terapia Floral do Dr. Bach” e a “A Terapia da Respiração”.