Dicas sobre limpeza de pele

Sabia que quem tem muitas espinhas não pode fazer?

Marisa De Lucia


Devo ou não fazer uma limpeza de pele? Parece incrível, mas muitos ainda se fazem esta pergunta. E a dúvida procede, pois, segundo dermatologistas, quem tem a pele cheia de espinhas amareladas devem evitar o procedimento, pois a infecção pode se disseminar.

Nesse caso, é preciso fazer um tratamento com o dermatologista e esperar as espinhas sumirem para evitar problemas maiores com a saúde cutânea. Afinal, a limpeza de pele deve ser feita para melhorar a aparência, não é mesmo?

E logo após tomar sol, quando a pele estiver bronzeada, é recomendável fazer uma limpeza de pele? A resposta dos dermatologistas também é não. Isto porque depois da exposição prolongada ao sol, a melanina -substância responsável pelo escurecimento da pele- está em plena atividade podendo aparecer manchas.

Untitled-1.jpg

Outra dúvida é se podemos tomar sol após ter feito uma limpeza de pele. Outra resposta negativa. É necessário ficar 48 horas sem se expor ao sol. E mais: ao se expor ao sol é preciso aplicar filtro solar com fator acima de 15.

E o que fazer para evitar os cravos, aqueles pontinhos pretos que insistem em marcar nosso rosto? Os tônicos e outros produtos adstringentes, assim como sabonetes de ação profunda podem trazer bons resultados, desde que indicados para seu tipo de pele. Outra dica é evitar dormir maquiada, pois os cosméticos entopem os poros.

Você sabia como surgiu o primeiro shampoo?

Inicialmente era chamado de produto de limpeza para cabelos

Por:Marisa De Lucia


Foi na Alemanha, em 1890, que se deu a criação de um detergente para limpar os cabelos. Mas somente depois da Primeira Guerra Mundial esse produto passou a ser oferecido comercialmente como produto para limpeza de cabelos.

Naquele período, antes da criação do tal detergente, as pessoas utilizavam os sabonetes para lavar os cabelos. O nome shampoo teve origem na Inglaterra e veio do hindu “champo”, que significa amassar ou massagear.

Mas não pensem que tinha tanta variedade como nos dias de hoje. Os shampoos, na verdade, eram muito parecidos. Todos eles continham em sua fórmula os tensoativos, ou seja, substância que altera a superfície de contato entre dois líquidos, provocando a limpeza do cabelo.

Untitled-1.jpg

O primeiro empresário a produzir shampoo industrialmente foi o americano John Breck, em 1930. Na época, eram comercializadas em grande escala somente duas linhas de shampoo, uma para cabelos secos e outra para cabelos oleosos.

Foi somente a partir do século XX que diferentes tipos de shampoo foram elaborados para cada tipo de cabelo. E para baratear o preço final do produto, é que começaram a partir desse período a produzir o shampoo através de produtos sintéticos.

Você sabe quando surgiu o barbeador?

Muitos não sabem, mas ele existe desde 1888!

por Marisa de Lúcia


O primeiro modelo de barbeador foi criado nos Estados Unidos, por volta de 1888, pelos irmãos Kampfe de Nova York. O aparelho possuía uma bainha de metal, localizada sobre a lâmina, que impedia cortes profundos, o que normalmente ocorria com o uso da navalha.

Mas foi somente em 1895 que o norte-americano King Camp Gillette, fazendo a barba numa manhã quente, teve a brilhante idéia de criar um sistema de barbear que utilizasse lâminas descartáveis.

A inovação de seu invento não estava no aparelho, mas sim na lâmina, que tinha uma camada fina de aço afiada dos dois lados podendo ser usada algumas vezes e depois descartada.

Muita gente duvidou do sucesso do barbeador, pois achavam que ninguém iria querer comprar lâminas a toda hora, uma vez que podia simplesmente afiar a navalha. Contudo, a primeira venda da Gillete, em 1903, foi de 51 barbeadores e 168 lâminas. No ano seguinte, a empresa produzia 90.000 barbeadores e 12,4 milhões de lâminas.

O método, no entanto, foi amplamente adotado quando, durante a Primeira Guerra Mundial, a Gillette enviou um aparelho de barbear para cada soldado americano, e muitos passaram a barbear-se em sua própria casa. Nessa época, as lâminas eram embaladas uma a uma, em papéis com o retrato e a assinatura de King C. Gillette. Quem não se lembra?

Já o barbeador elétrico foi criado pelo tenente americano Jacob Schick que, cansado de não ter como fazer a barba nos dias de frio ou quando acabava a água, resolveu dar um jeito de se barbear a seco. Em 1918, criou um barbeador com lâminas acionadas por um motor elétrico, que cortavam os pelos sem precisar de espuma ou água. Mas o invento passou a ser comercializado somente 13 anos depois, em 1931.