Veja quais são os tipos de pele

Por Marisa De Lucia


Antes de sair passando qualquer creme e comprometer seu visual com manchas ou acnes, o ideal é em primeiro lugar saber qual o seu tipo de pele. Seca, oleosa ou mista? Composta de três camadas – epiderme (camada mais superficial), derme (responsável pela sustentação dos tecidos) e hipoderme (camada mais profunda) – a pele é a expressão do seu equilíbrio interior.

escova.jpg

A pele oleosa caracteriza-se pela produção excessiva de gordura, tem poros abertos, aspecto brilhante e tendência a acne. Neste caso, dê preferência aos produtos em gel, pois contêm menos óleo e mais água, portanto se evaporam rapidamente em contato com a pele.

Com vasos e veias aparentes, a pele sensível tem coloração avermelhada, apresenta pontos de descamação e geralmente tem poros abertos. Para esse tipo de pele, use produtos em forma de gel.

A aparência da pele normal é nem brilhante nem opaca, com poros levemente abertos, onde existe maior concentração de glândulas sebáceas. Para esse tipo de pele, use produtos em loção, que são fluidos e de rápida absorção. Eles combinam em doses iguais água e óleo e resultam num creme agradável e leve.

A pele mista é mais oleosa na testa, nariz e queixo, onde apresenta poros abertos e uma dose extra de brilho. O restante tende entre normal e seca, com os poros mais fechados. Prefira os produtos específicos para peles mistas, pois eles controlam a oleosidade, hidratam e combatem o ressecamento nas laterais,

Caracterizada por poros quase invisíveis, falta de brilho, aspereza, espessura fina e descamações constantes, a pele ressecada deve ser tratada com produtos à base de ácido e mais cremosos, que contenham mais óleos e ceras do que água – essa equação resulta num hidratante gorduroso e consistente.

Para conservar sua pele com aspecto jovial e sempre sedosa, só us produtos que combinem mais com seu tipo de pele e use cosméticos de boa qualidade, de preferência isentos de óleo (oil free). E não se esqueça de limpar a pele pelo menos duas vezes por dia para evitar o acúmulo de resíduos.
 

Fique sempre com os pés bem cuidados

Afinal, a beleza é um conjunto

Por Marisa De Lucia


Não podemos nunca nos descuidar de nossos pés. Afinal, além de possibilitarem nossa locomoção e manter nosso equilíbrio, se estiverem malcuidados, com certeza, atrapalharão nossa beleza que deve ser um conjunto.

pés.jpg

Você já parou pra pensar que na maioria das vezes, no dia-a-dia tão corrido, nossos pés ficam escondidos em sapatos fechados, principalmente agora no inverno, e quando não em situação desconfortável. Por isso, para que você fique sempre com os pés bem cuidados, aí vão algumas dicas:

Mantenha os pés sempre hidratados, com as unhas bem feitas; durante o banho esfolie os pés com cremes apropriados para que fiquem bem lisinhos; use talco, bactericida ou desodorante para os pés quando usar sapatos fechados, para evitar odores; troque diariamente de meias, que devem ser preferencialmente de algodão, pois absorvem melhor o suor; não use o mesmo par de sapatos todos os dias e guarde seus sapatos em locais arejados.

Outra dica para deixar os pés descansados é massageá-los sempre que possível. Inclusive, os podólogos, especialistas em cuidados com os pés, obtêm até a cura de certas patologias como dores de cabeça, estômago, costas e ansiedade, através da reflexologia, com massagens baseadas no DO-IN. O estímulo nos pontos reflexos transmite a informação para a área afetada, podendo melhorá-la em poucos minutos.

Para não sofrer com unhas encravadas, use sempre sapatos confortáveis, procure cortar as unhas dos pés em formato reto, para que seus cantinhos não cresçam no sentido errado e firam a pele. Para os calos, os médicos receitam adesivos com substâncias que deixam a pele mais fina; para evitar joanetes, não use sapatos apertados.

Já no caso de micose, que aparece como vermelhidão, descamação e coceira, evite pisar descalço em terra, principalmente onde estejam gatos e cães. Para evitar, seque bem os pés após o banho e só use antimicótico, se indicado por um médico.

Dicas para brilhar no grande dia

Veja os erros apontados por cabeleireiros nos cabelos das noivas

Por Marisa de Lúcia


Ao escolher o penteado para o dia do seu casamento, cuidado para não acabar cometendo gafes. Seu vestido pode estar maravilhoso, mas se os cabelos não estiverem com um bom corte ou uma coloração adequada, você pode por tudo a perder.

noiva.jpg

A escolha do penteado deve ser feita com bastante antecedência e, se possível, fazer um teste antes do grande dia.  Lembre-se que o penteado precisa combinar com o estilo do vestido e os cabelos não devem chamar mais atenção do que a roupa da noiva. Essa regra também vale para madrinhas e damas de honra, cujos penteados não devem ofuscar o brilho do visual da noiva.

Um dos erros mais comuns apontados pelos cabeleireiros é colorir o cabelo às vésperas da festa.  É preciso escolher a tonalidade que melhor combine com seu tom de pele e fazer a coloração pelo menos uma semana antes da cerimônia, para dar tempo de reajustes, se necessário. Cuidado com as colorações malfeitas, mechas exageradas e reflexos com tons diferentes.

Outro erro cometido é exagerar nos acessórios, o que pode prejudicar o look da noiva. Por isso, use o bom senso na escolha de presilhas, tiaras, broches, pingentes e prendedores. Aposte em adornos leves e sutis. Nada de muito brilho nem jóias chamativas.  Se a festa for realizada durante o dia não há necessidade de muito gel ou spray nos cabelos.

Se for colocar algum aplique, dê preferência aos de fios naturais e que seja da cor do seu cabelo. Tome cuidado para não misturar tons diferentes e acabar chamando muito a atenção. Coques elevados, cachos com babyliss e tranças grosas não estão sendo usados atualmente, por isso podem trazer um ar de cafona.

Finalmente, o tamanho do véu também pode comprometer o visual. Por isso, procure usar véu curto para cabelos soltos e para os presos, use um véu maior, abaixo da altura dos ombros.

Como obter cabelos lisos

Veja as técnicas e evite as fórmulas caseiras

Por Marisa De Lucia


Não há dúvidas de que os cabelos lisos são realmente a preferência nacional tanto para homens como para mulheres. Nos dias de hoje, o cabelo escorrido tem sido o maior responsável por lotar salões de segunda a segunda. E foi-se o tempo em que alisar o cabelo era um trabalho árduo. Hoje existem inúmeras técnicas, mas cuidados com as fórmulas caseiras, pois elas podem provocar sérios danos a seus cabelos.

liso.jpg

Ao escolher a técnica para alisar seus cabelos, é muito importante ter em mente o efeito que se deseja. Isto porque o relaxamento, por exemplo, tira o volume dos fios, enquanto que o alisamento deixa os cabelos chapados e retos.

Shampoos e cremes alisam porque deixam os cabelos mais pesados e com menos volume. No entanto, eles facilitam a escova, mas não garantem fios escorridos.

A tradicional escova, feita com secador e uma escova redonda ainda continua em alta, apesar de ser trabalhosa se feita em casa.

Se optar pela prancha, basta secar os fios e separar os cabelos em mechas com três dedos de largura e um de espessura. Os fios devem ser mantidos muito próximos ao couro cabeludo e evitar pausas para que os cabelos não sejam queimados, ficando quebradiços. Para melhor resultado, deve-se aplicar um spray de brilho.

O amaciamento é o mais suave e pode ser feito até em cabelos com reflexo dependendo das condições dos fios. Diminui o volume sem alisar e resolve em 50% a rebeldia dos cabelos.

Sem o formol, a substância tóxica responsável por sua proibição tão logo surgiu no mercado, a escova progressiva trata os fios através da queratina. Contudo, nem todo mundo pode fazer a progressiva, pois dependendo do estado do cabelo, os fios não aguentam a química. Além disso, a frequência deve ser controlada, e o resultado vai depender das características naturais do cabelo. Os étnicos, por exemplo, não ficam lisos, apenas com cachos mais soltos.

Agora, para deixar os fios lisérrimos, a técnica mais indicada é o alisamento japonês, para a qual se utiliza produtos químicos fortes, por isso, jamais deve ser feita em casa. Atualmente, já dá para ser feita em cabelos tingidos com excelentes resultados.

Como cuidar de cabelos cacheados

O vento pode causar estragos nesse tipo de cabelo

Por Marisa De Lucia


Não há dúvidas de que cuidar da beleza é bem mais fácil para quem tem cabelos lisos. Por isso é que a maioria das mulheres que têm cabelos cacheados opta por alisá-los definitivamente. Mas para quem é fã dos cabelos cacheados, vale a pena investir. Afinal, hoje existe uma variedade enorme de produtos que deixam os crespos mais soltos.

curly.jpg

Uma das principais causas do excesso de volume e da falta de definição dos cachos, é que o cabelo crespo é naturalmente mais ressecado e opaco porque o movimento anelado do fio impede que a oleosidade natural do couro cabeludo chegue até as pontas. Por isso, a rotina de beleza a ser adotada começa com um bom corte, que equilibre o volume, e o uso constante de shampoo, condicionador e creme sem enxágue (leave-in), que possuam propriedades hidratantes.

Para deixar os cachos ainda mais definidos, o ideal é secar com a toalha amassando os cachos com ativador de cachos ou mousse. Se o cabelo é ondulado, secar com o difusor deixa os cabelos mais cacheados, já secar na escova permitirá ondas mais largas. Depois de secos, para controlar os fios e dar brilho aos cabelos, use cera ou pomada. Outra dica é o uso de máscaras hidratantes, no mínimo, uma vez por semana.

Para cabelos ondulados, a orientação é valorizar as ondas com cortes em camadas, desfiados ou em forma de losango. Dependendo do tipo da raiz, é necessário que a pessoa faça hidratação.

Já as mulheres que têm cabelos muito crespos, devem frequentar o salão e cuidar do cabelo no dia-a-dia com escova ou bóbis grandes para que ele assuma uma forma adequada. Cauterização e hidratação a base de óleo e água são procedimentos extremamente importantes neste tipo de cabelo.

Cuidados para que os cachos fiquem soltos

  • Lave os cabelos somente com água morna, pois a água muito quente resseca os fios. No caso de lavar todos os dias, devem ser usados produtos específicos e de qualidade.
  • Massageie o couro cabeludo durante a lavagem, pois estimula a produção de sebo protetor nos cabelos.
  • Com os cabelos ainda molhados, aplique, em pequenas quantidades, o creme para pentear e espalhe pelos fios na quantidade necessária.
  • Ao longo do dia, se sentir necessidade, aplique pequenas quantidades do creme para pentear. Deve-se tomar o cuidado de não utilizar uma quantidade excessiva, o que deixaria os fios opacos e sem movimento.
  • Penteie os cabelos quando ainda estiverem úmidos, para manter sua estrutura intacta.
  • Use máscaras hidratantes de tratamento intensivo de acordo com a necessidade e finalizadores em abundância, tais como leave in, mousses, pomadas e reparadores de pontas.
  • Corte periodicamente os cabelos, para evitar o ressecamento dos fios.

Maquiagem na praia pode causar irritação à pele?

Somente se usada indevidamente

Por Marisa De Lucia


Tem coisa pior para as mulheres que adoram se maquiar, do que abrir mão desse artifício para ir à praia? Ainda bem que hoje, graças à alta tecnologia, é possível ir à praia até com base, rímel e gloss sem ficar com a pele irritada, desde que esses produtos sejam usados corretamente.

make.jpg

Já as sombras, os blushes e os batons vermelhos, assim como os perfumes, devem ficar de fora. Isto porque possuem componentes sensíveis ao sol e, por isso, aumentam a probabilidade de doenças de pele, além de correrem o risco de derreter sob o sol e prejudicar seu visual.

Ainda assim, o rímel e o gloss devem ser à prova d’água e, claro, o filtro solar deve ter fator de proteção no mínimo 30 e ser livre de óleo. O mais recomendado para a praia é o filtro solar de coloração bege, parecido com uma base, que traz menos riscos de desenvolver manchas escuras ou causar alergia.

Mas, lembre-se: usar maquiagem demais na praia não é elegante. Nunca use sombras ou delineadores sob o sol, pois é um convite irresistível para a aceleração da produção de rugas. Outra dica é usar sempre o protetor solar, um bom chapéu e óculos escuros.

Como tratar suas unhas

Receita caseira para unhas fracas

Por Marisa De Lucia


constante de produtos químicos, como detergente e sabão em pó, a problemas alimentares.

unhas.png

Por ser composta basicamente de queratina, o enfraquecimento pode estar ligado com o hábito de fazer as unhas todas as semanas. Isto porque a acetona ou o removedor de esmalte resseca muito as unhas, o que as torna quebradiças, sem brilho e muitas vezes com manchas brancas.

De acordo com alguns dermatologistas, o ideal seria não pintar todas as semanas e sempre hidratar bem as mãos e as unhas. Mas para quem não consegue, uma dica é retirar o esmalte dois dias antes e hidratar bem.

Outro fator que contribui para o enfraquecimento das unhas é retirar sua cutícula, que é protetora e impede a penetração de bactérias, fungos e substâncias nocivas, podendo causar infecções. Produtos como esmaltes fortalecedores e óleos hidratam, mas não são suficientes.

Bases fortalecedoras feitas de carbonato de cálcio, formaldeído e derivados de quinino, assim como medicamentos com vitaminas derivadas do complexo B, podem contribuir para fortificar as unhas, mas antes de escolher o tratamento, é necessária uma investigação das causas.

Outro motivo, e talvez o principal, do enfraquecimento das unhas é a alimentação desregrada e carente de proteínas, vitaminas e outros nutrientes essenciais para fortalecimento das unhas e cabelos.

Receitas caseiras para unhas fracas

- Mergulhar as unhas durante cinco minutos em azeite de oliva morno. Retirar o excesso com papel absorvente e, preferencialmente, dormir com luvas de pano para não manchar os lençóis.

- Colocar caldo de feijão cozido, quente e sem tempero, em uma vasilha. Mergulhar os dedos dentro da vasilha, de modo que cubram as unhas e deixar por alguns minutos.

- Pingar duas ou três gotas de creolina no vidro de base para unhas fracas e usar sempre antes da aplicação do esmalte.

- Aplicar batata crua constantemente nas unhas.

Como lavar os cabelos

A escolha do shampoo é muito importante

Por Marisa De Lucia


Muitas vezes utilizamos produtos bons em nossos cabelos, fazemos hidratações, banhos de creme, cauterizações e de nada adianta. Isto porque o problema, muitas vezes, está no início, ou seja, na lavagem inadequada que, além de causar ressecamento e quebra, pode tirar o brilho dos fios.

Estamos cansados de ouvir que para cada tipo de cabelo existe um tipo adequado de shampoo, mas nem sempre sabemos qual é o nosso tipo de cabelo. Os cabelos normais são macios e possuem brilho natural, por isso não exigem tantos cuidados. Basta lavar com shampoo específico para cabelos normais e usar um bom condicionador. Já os cabelos oleosos são pesados e apresentam aspecto gorduroso. Além de lavá-los diariamente, é necessário passar condicionador só nas pontas.

Opacos e porosos, geralmente, os cabelos secos são cabelos crespos e encaracolados. Além de shampoo e condicionador, específicos para cabelos secos, é necessário fazer hidratações com frequência. Finalmente, os cabelos mistos possuem a raiz oleosa e as pontas secas. Para eles, além de shampoo e condicionador, é recomendável usar cremes, óleos e reparadores nas pontas.

Agora, o mais importante é lavar os cabelos de forma correta, para conseguir o mesmo efeito de quando vamos ao cabeleireiro. O segredo é antes de tudo lavar somente com água morna. Outra dica é a quantidade de shampoo, que não deve ultrapassar o centro da palma da mão. Finalmente, repetir a operação, enxaguando muito bem para não ficar resíduos. Veja algumas dicas:

  • No caso de cabelos encaracolados, desembarace-os com um pente de dentes largos, antes de molhá-los.
  • Nunca comece pelas pontas e não use as unhas, mas sim as pontas dos dedos.
  • Nunca passe condicionador na raiz, isso causa caspa.
  • Para não deixar condicionador nos fios, é importante enxaguar muito bem. Se necessário, use leave in nas pontas.
  • Evite lavar os cabelos com água muito quente e nunca esfregue os fios.
  • Finalmente, para secar, cubra a cabeça com uma toalha macia e pressione com as mãos para remover o excesso de água. Nunca esfregue os cabelos.

Cuidados ao usar cremes no rosto

O tipo de pele deve ser respeitado

Por Marisa De Lucia


O aparecimento de cravos e espinhas na área do rosto pode ser resultado de uso inadequado de creme. Isto porque cada tipo de pele merece um tratamento diferenciado.

Mas, mesmo sabendo qual o creme indicado para sua pele, é necessário tomar alguns cuidados básicos antes de aplicá-lo. Antes de mais nada, você deve limpar o rosto para remover a maquiagem, a sujeira causada pela poluição e as células mortas.

Para a pele normal, são indicados os leites de limpeza, as emulsões cremosas e os sabonetes faciais. Para a pele oleosa ou mista, o ideal é usar géis, emulsões, sabonetes faciais e soluções de limpeza não oleosas. No caso de pele seca, use leites ou cremes de limpeza, evitando os sabonetes faciais.

Lembre-se sempre que, independentemente da idade, não se deve lavar o rosto com água quente e o sabonete que usa para lavar o corpo. Use somente sabonete facial, líquido ou cremoso.

Depois de devidamente lavada, a pele deve ser tonificada. Para isso, escolha um produto que tenha a menor quantidade de álcool possível. Para peles normais ou secas, use loção tônica. Já para peles oleosas e mistas, use loção adstringente.

Na hora de hidratar, se sua pele for normal escolha loções e leites hidratantes e, no caso de pele óleos, hidratantes em forma de gel, gel-creme, fluidos ou loções cremosas, sempre com formulações livres de óleo (oil free). Já a pele seca requer hidratante em forma de creme, bem consistente.

Finalmente, é muito importante proteger a pele com filtro solar, após o hidratante, pois ajuda a proteger não só contra as manchas e o envelhecimento, mas contra o câncer de pele, muito preocupante nos dias de hoje.

Como surgiram os cosméticos

Você sabia que na Idade Média, a Igreja Católica proibiu o uso de cosméticos?

Por Marisa De Lucia


Hoje, peça fundamental no dia-a-dia das mulheres, os cosméticos estão cada vez mais aperfeiçoados e com variedades incríveis, atendendo a todos os tipos de pele e com ingredientes que não provocam alergia. Mas desde quando as mulheres se utilizam desses recursos?

Muita gente não sabe, mas os primeiros registros da utilização de cosméticos datam do Egito antigo, em 3000 A.C. Já nessa época os egípcios pintavam os olhos para evitar a contemplação direta do deus Sol, usando cera de abelhas, mel e leite no preparo de cremes. Para deixar sua pele mais macia. Cleópatra tomava banho com leite de cabra.

Agora, algo que não dá para acreditar é que durante a Idade Média os cosméticos desapareceram na Europa, pois a Igreja Católica proibiu o culto à beleza e o Parlamento Inglês condenou a prática, alegando ser bruxaria, ameaçando com prisão quem fizesse uso de tais produtos.

O uso voltou na época das Cruzadas, quando o banho não era diário e os odores corporais eram disfarçados pelo uso de perfumes. Foi nessa época que a perfumaria se desenvolveu na cidade de Paris.

palavra cosmético vem do grego kosmetikós, que significa “o que serve para ornamentar”. Os cosméticos surgiram no Oriente na Antiguidade e se espalharam pelo resto do mundo. Usavam-se óleos, essências de rosa e de jasmim e tinturas para os cabelos. A alta sociedade de Roma tomava banhos com leite de jumenta para embelezar a pele. Na Idade Média, o açafrão servia para colorir os lábios; o negro da fuligem, para escurecer os cílios; a sálvia, para esbranquecer os dentes; a clara de ovo e o vinagre, para aveludar a pele.

Mas os cosméticos enfrentaram vários obstáculos ao longo da história. Uma lei grega do século II proibia que as mulheres escondessem sua verdadeira aparência com maquiagem antes do casamento. A legislação draconiana, adotada pelo Parlamento britânico em 1770, permitia a anulação do casamento se a noiva estivesse de maquiagem, dentadura ou cabelo falso. Nos anos seguintes, no entanto, a maquiagem pesada tomou conta da Inglaterra e da França. Até que a febre passou após a Revolução Francesa. Só se admitia que pessoas mais velhas e artistas de teatro usassem. Em 1880, a maquiagem reconquistou as mulheres e nascia a moderna indústria de cosméticos.

Os pós faciais, que surgiram em 4 000 a.C. na antiga Grécia, eram perigosos porque tinham uma grande quantidade de chumbo em sua composição e chegaram a causar várias mortes prematuras. O rouge era um pouco mais seguro. Embora fosse feito com amoras e algas marinhas, substâncias naturais, sua cor era extraída do cinabre (sulfeto de mercúrio), um mineral vermelho. O mesmo rouge era usado nos lábios, como batom, onde era mais facilmente ingerido e também causava envenenamento.

O costume de pintar as unhas nasceu na China, no século III a.C. As cores do esmalte indicavam a classe social do indivíduo. Os primeiros eram feitos de goma arábica, clara de ovo, gelatina e cera de abelha. Os reis pintavam as unhas com as cores preta e vermelha, depois substituídas pelo dourado e pelo prateado. No Egito antigo, a tradição se repetiu.

Finalmente, na Idade Contemporânea, no século XIX, as donas-de-casa começaram a fabricar cosméticos em suas próprias residências utilizando ingredientes como leite, água de rosas, creme de pepino, limonada, etc. Já o primeiro laboratório cosmético e medicinal foi criado em Florença em 1508, mesmo ano em que foi inaugurado na França o primeiro instituto de beleza, Catalina Caligai.